Coisas que fizeram ou não a diferença: muitas perdas e poucos ganhos (legados de boas e más escolhas?)

Lembra de quando você era criança e você sempre tinha que escolher entre duas ou mais coisas? Naquela época você não entendia o por que de não poder ter as 2 coisas. Não entendia por que a maioria dos adultos à sua volta viviam repetindo “o mundo é feito de escolhas”.

Mas agora, com 21 anos (quase nos 22) você finalmente entendeu porque tudo na sua vida está como está. Todas as consequências, tudo o que me trouxe aqui neste blog hoje é culpa delas: das más e das boas escolhas.

Foram elas que me fizeram perder todos os meus amores e quando eu digo amores, não retrato apenas o sentido mais amplo divulgado na sociedade atualmente (= homens, namoros, rolos), quero incluir na palavra amores todas as coisas que eu adorava fazer e que não faço mais por causa das minhas escolhas.

A faculdade e os meus picos de deprê (que não são raros, acreditem!) são os motivos que me impulsionam à perda dos meus amores. Por causa deles eu não leio mais os livros que gosto, não tenho mais amigos e vida social, não tenho pra onde sair nos fins de semana, eu não canto mais (que era uma coisa que eu amava de verdade fazer), não danço mais, não faço caminhadas…

Outra coisa que influencia e muito nas escolhas: as oportunidades ou falta delas; as suas condições financeiras (as minhas são a TREVA, por exemplo). Eu não deixei de comprar um par de sapatos novos ou um avião porque eu não queria, só não comprei essas coisas porque não tive condições de comprar. Mas por que todo mundo acha que foi porque eu não quis? Só porque suas vidas são maravilhosas e vocês têm tudo o que querem e mais um pouco, não quer dizer que eu também tenho que ter ou tenha condições de ter as mesmas coisas. Essa atitude de dizer o que os outros devem ou não fazer e de perguntar coisas sem analisar a vida da pessoa questionada é medíocre. Eu já passei por inúmeras situações dessa e já fui muito questionada principalmente por familiares e posso dizer uma coisa: isso magoa, magoa demais, faz com que eu me sinta um lixo para a sociedade, acaba com a minha auto-estima…

Posso afirmar uma coisa: eu não sou o que vocês vêem diariamente, se eu finjo que não me importei com certas coisas é só pra não desabar chorando em todos os lugares.

Isso estava entalado na minha garganta há muito tempo e eu não conseguia mais continuar engolindo.

Eu estou tentando fazer o meu melhor e ninguém me parabeniza por isso. Estou elevando a faculdade acima de tudo, acima até das minhas vontades e da minha felicidade e ninguém vê isso. E eu não tenho ninguém com quem conversar, só tenho esse blog que é onde eu jogo tudo o que eu penso, então, se você lê tudo isso, me desculpe se te fiz perder tempo.

Anúncios