Impala SPFW – Azul Aviador

Demorei pra postar, mas está aí a nova coleção da Impala SPFW!

Depois de ser enganada pela Impala achando que o esmalte na mira do 3D era holográfico rs, o Azul Aviador foi o primeiro dessa nova coleção (Impala SPFW) que eu usei!

Azul Aviador nos pés dá um efeito super moderninho!

O único aspecto ruim desse azul é que ele é muito clarinho, então eu tive que passar umas 3 camadas  dele pra ficar com esse tom azul/roxo! E é incrível como ele é da mesma cor que eu pintei os pés da minha escrivaninha (logo mais, assim que a escrivaninha estiver finalizada eu posto ela aqui!). Como é uma cor bem moderninha, eu aprovei! =P

Minha futura máquina!

Lembram do post anterior, com as pastilhinhas que montei pra minha avó colocar na cozinha? Pois é, a velhinha me trollou! Hoje descobri que ela não colocou as pastilhas na cozinha e inventou que vai fazer um vaso com elas ¬¬

Mas, mudando de vó, vou falar de um presentinho que fiz para a minha avó paterna hoje: uma capa para a máquina de costura dela! E não é que ficou linda?! (Se quiserem encomendar uma fiquem a vontade =P)

Espiem só como ficou a capa toda matelassada!!!

Eu esqueci de tirar foto só da máquina sem a capa ¬¬ mas a máquina é daquelas bem antigonas verdes (como essa da foto abaixo) e um dia ela será minha!

É igual ou, no mínimo, muito parecida com esta!

Minha boa ação do dia: Misturando pastilhas de vidro!

Após um sábado cheio de entra e sai de dentro do carro naquele calor infernal, finalmente conseguimos achar tudo o que a minha avó queria: as pastilhas para decorar a nova cozinha dela e os tozetos para colocar no seu piso novo!

Mas não foi fácil achar os tozetos. Acho que passamos em mais de 7 lojas entre Osasco e Barueri para achá-los aqui pertinho em Alphaville ¬¬

Quanto às pastilhas, foram compradas 8 placas de pastilhas vermelhas e 2 placas brancas pra misturar entre as vermelhas. Como minha avó estava achando muito complicada a minha explicação sobre como fazer essa mistura eu me candidatei a fazê-la (mas eu duvido que ela não tinha entendido, acho q ela estava se fazendo de coitadinha só pra eu fazer pra ela =P). E esta foi a minha boa ação de segunda feira: passei a tarde toda misturando, descolando e re-colando pastilhas!

Pra quem não sabe como fazer, eu explico! Você vai precisar de:

  • Cola branca;
  • Vasilha com água (de um tamanho que caiba a placa com as pastilhas);
  • Toalha ou um pano qualquer;
  • E muita paciência!!!

Com tudo isso em mãos, coloque um pouco de água na vasilha (só o suficiente para cobrir a placa) e dentro dela coloque a placa de pastilhas (aqui eu comecei pelas vermelhas). Não tem um tempo certo pras pastilhas começarem a descolar, mas é bem rapido! Portanto, você tem que ir tentando descolar de tempo em tempo as pastilhas! Quando elas descolarem é o momento de retirar a placa da água e a colocar sobre a toalha. Agora você pode descolar quantas pastilhas quiser fazendo um desenho ou aleatóriamente. Acabada essa parte, retire a placa da toalha e a disponha sobre o chão para secar. É só repetir esses passos com as demais placas,  e ir secando as pastilhas que foram retiradas! Só tome cuidado na hora de manusear as placas e as pastilhas, pois as pastilhas podem cair e quebrar!

Nesta foto eu havia acabado de retirar todas as pastilhas que eu queria aleatoriamente!

Com a placa seca, agora é a hora de colar as pastilhas que foram desgrudadas (no meu caso eu colei as brancas na placa vermelha e vice versa). Vá passando a cola na placa e grudando as pastilhas uma a uma, sempre respeitando uma distância igual entre elas! Completada a placa, é só esperar a cola secar para poder manuseá-la!

E nesta outra, eu já havia completado com as pastilhas brancas!

Quando a cozinha estiver pronta eu posto as fotos aqui pra vocês conferirem como ficou!!!

OBS: Como eu queria a mesma quantidade de pastilhas brancas em todas as placas, foi só fazer uma continha básica: as duas placas brancas somavam 450 pastilhas que precisavam ser divididas entre as 10 placas (8 vermelhas e 2 brancas), então isso resultou em 45 pastilhas brancas em cada placa. Dessa forma, nas placas vermelhas eu retirei 45 pastilhas para trocar pelas brancas e, nas placas brancas eu deixei apenas 45 pastilhas em cada uma e a completei com as pastilhas vermelhas que foram retiradas anteriormente!

Suzumiya Haruhi Vs Guia do Mochileiro das Galáxias

 

Por que fazer um confronto entre essas duas coisas tão diferentes? Porque no fundo elas não são tão diferentes assim e eu vou contar o porque!

Suzumiya Haruhi

É um anime totalmente no sense que eu não fui capaz de ver até o final porque era informação demais a cada segundo pra minha linda cabecinha processar! Sério, eu tinha que pausar quase todas as frases pra dar tempo de ler e tentar entender o que se passava entre os personagens, mas era algo muito impossível de se fazer, algo meio digno de Chuck Norris apenas! A sinopse é a seguinte: 

“O que você pensaria de uma pessoa que, no 1º dia de aula, se apresenta dizendo que não possui interesse em humanos normais, mas sim em aliens, viajantes do tempo, espers e coisas do tipo. Você é um deles? Não? Então seja ignorado por ela, a bela, popular e hábil Haruhi Suzumiya.
A única pessoa que fala com ela é Kyon. Depois de observar Haruhi por um tempo, a ponto de saber o dia da semana pelo penteado dela, ele arrisca uma conversa com ela e não foi totalmente rejeitado… Após reparar que ela não permanecia muito tempo em clube algum da escola, ele pergunta porque ela mesma não monta um… pronto, está formada a Brigada S.O.S – Brigada Salve o mundo enchendo-o de diversão com Suzumiya Haruhi (“Save the world by Overflowing it with fun with Suzumiya Haruhi Brigade”, no original). O que eles fazem? Só vendo para crer… ” by Anime Forces.
 

O Guia do Mochileiro das Galáxias

É uma série composta por 5 livros (a original) e por um filme que retrata com uns 75% de fidelidade o primeiro livro. Meu primeiro contato com essas série foi com o filme que meu irmão alugou uma vez na época em que ainda se alugava filmes =P Confesso que achei o filme uma babaquisse sem pé nem cabeça na época. O segundo contato foi recentemente pelos livros emprestados de um amigo do meu irmão! Comecei a ler e percebi que eu não era tão sem noção assim, o autor do livro era infinitas vezes mais do que eu, mas eu estava me divertindo lendo os livrinhos.

Até o dia em que cheguei no “terceiro volume de uma trilogia de cinco” (se é que me entendem!). Quando cheguei em um capíluo X (não lembro, acho que era o 9, mas enfim…) meu cérebro fritou tanto que eu fiquei quase um mês sem olhar pro livro de novo. Mas como eu acabei de ler  “O Peregrino da Alvorada” – As crônicas de Nárnia, eu achei que pudesse voltar a ler o tal volume 3. E eu demorei pra entender que a droga do capítulo retratava uma conversa entre o Marvin, um robô depressivo, e um colchão chamado Zem (na verdade todos os colhões chamam Zem, não que isso acrescente muito na sua vida, mas…)! Eu fiquei tipo “como assim???” mas relevei né, fazer o que…

Eu não acabei de ler a série ainda (mas acabei o livro 3 FINALMENTE!), na verdade eu meio que me cansei dela e acho que, por enquanto ele vai ficar de lado junto com os outros 2 ultimos livros das Crônicas de Nárnia (na minha opinião esse livro é infinito, sério acho que já tem mais de 1 ano que tento vencer ele!).

Voltando à comparação, viu como o anime e o livro são iguais?? Se não conseguiu entender,, veja o anime e leia o livro =P